Nuno Félix da Costa, Relatório sobre o que acontece, Portugal

Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Relatório sobre o que acontece

crónicas sobre o que acontece ou o que parece acontecer

Relatório sobre o que acontece

crónicas sobre o que acontece ou o que parece acontecer

o desentendimento

A própria expressão verbal nos desvia de uma individualidade estrita: pensamos cavalgando palavras que saltam jardins murados, alguns descuidados, mas outros tão bem esquadrinhados que logo nos picamos se saímos dos trilhos ou cai-nos uma manga na cabeça ou uma vespa libidinosa cobiça a flor que colhemos. Pensamos em cima de um universo já milhões de vezes pensado e alvo de centenas de prémios Nobel e outros. Para que queremos a individualidade pela qual tão tenazmente nos batemos? Em que fundamos a esperança de uma cristalinidade jorrando não contaminada pelo mundo, pelas fórmulas desgastadas do dizer, pelo barroco que decora a mente? Pode um verdadeiro narcísico abstrair do espelho que o reflete?, de tudo o que ele não é na imagem de si? O verdadeiro narcísico agride o espelho, desloca-se para ver além, para ver a extensão de si sem interposição da redundância que ele próprio é – a consciência é redundância, joga com a imagem que se interpõe, desmaterializa-se numa ideia de belo quase inconcebível; um verdadeiro narcísico prescindiria dela a favor de uma expressão verbal sem lastro, propulsionada por todos os pensamentos que a sua vaidade omite, pelas vozes que o seu histriónico estrebuchar afasta, pelos cenários de uma humanidade fácil de recusar em bloco – ou como um suicida estritamente se afasta das condições do jogo. Amálgama de épocas brancas, sorvedouro de desvios do verbo «dever» ou de outro repositório definido de tradições. Experimentámos dizer o essencial ao longo da vida; a partir de um certo momento deixamos de pensar o futuro como um espaço de oportunidades, a individualidade restringe-se a um corpo amolecido e incapaz de gerir as próteses disponibilizadas. A expressão verbal pode-se tornar brutal, possuída por uma simpatia destrutiva – e leve como uma bomba terrorista.